Pesquisar por:
Reformados podem estar isentos de mais-valias na venda de imóveis

Os reformados, ou maiores de 65 anos, podem ficar isentos do pagamento de mais-valias pela venda de imóveis. Basta que reinvistam em certos produtos financeiros.

Quem tem mais de 65 anos, ou já esteja reformado, pode, desde 2019, beneficiar de um regime especial que isenta o pagamento de mais-valias pela venda de imóveis. Este regime especial apenas se aplica à venda da habitação própria e permanente. Para beneficiar desta isenção, é necessário, contudo, que, no prazo de 6 meses a contar da data de venda do imóvel, o valor seja reinvestido em certos produtos financeiros.

Explicamos quais os produtos financeiros abrangidos por este regime e como é possível beneficiar desta isenção do pagamento de mais-valias pela venda de imóveis.

Complementos de reforma

Quando se vende um imóvel, o lucro obtido tem de ser declarado às Finanças, ou seja, a diferença entre o preço de venda e o de compra, podendo ocorrer o pagamento de mais-valias, caso não haja reinvestimento. 

Em vigor desde janeiro de 2019, este regime não obriga, como é habitual, a aplicar as mais-valias, obtidas com a venda do imóvel, na aquisição de outra casa ou de um terreno para construção. Também não é necessário realizar obras de melhoramento ou ampliação de outro imóvel para habitação própria, para beneficiar desta isenção. 

É preciso, contudo, aplicar o lucro na contratação de um seguro financeiro do ramo vida (por exemplo, um seguro PPR ou um seguro de capitalização), um fundo de pensões ou contribuir para o regime público de capitalização, mais conhecido por Certificados de Reforma. Ou reforçar o investimento nestes produtos, quando possível, no caso de já terem sido contratados anteriormente. O prazo são seis meses a contar da data de venda do imóvel. 

O objetivo da lei é permitir às pessoas que saem do mercado de trabalho reinvestir as mais-valias imobiliárias em produtos financeiros que reforcem a sua reforma. 

De certa forma, estas regras consubstanciam um instrumento que permite dar resposta aos investidores e futuros pensionistas, que temem que o valor da pensão da segurança social não seja suficiente para viver ou manter uma determinada qualidade de vida.

Fundos PPR ficam de fora

Os PPR sob a forma de fundo de investimento não estão contemplados neste regime, apenas os PPR sob a forma de seguro ou fundo de pensões. 

Outro aspeto a realçar é a obrigatoriedade de o contribuinte manter a aplicação durante os 10 anos seguintes, podendo, no entanto, à exceção dos certificados de reforma, resgatá-los através de rendas periódicas durante esse período.

Há, porém, um limite máximo que pode levantar cada ano: 7,5% do valor investido. Ou seja, se aplicar 100 mil euros, receberá, por ano, 7500 euros.

Qual o valor a investir para não pagar mais-valias?

Ao valor da venda do imóvel, deve deduzir o montante da amortização do empréstimo contraído para a sua aquisição. 

Se parte do lucro for reinvestido na compra de outro imóvel, num terreno para construção, ou na ampliação ou melhoramento de outro edifício destinado a habitação própria, esse valor também pode ser abatido. 

O reinvestimento total num produto para a reforma dá direito a uma total isenção de mais-valias. Se for parcial, a isenção dirá respeito apenas à parte proporcional dos ganhos correspondentes ao valor reinvestido. 

Exemplo 1: Não reinvestir o dinheiro em produtos de reforma 

Valor da compra em 1995: € 150 000 euros 
Valor da venda: € 300 000 euros 
Coeficiente de atualização monetária: 1,58
Valor da aquisição atualizado: € 237 000 
Mais-valia: € 300 000 – € 237 000 = € 63 000 
Mais-valia tributável: € 63 000 x 50% = € 31 500

Exemplo 2: Investir o valor da venda do imóvel, descontando a amortização do empréstimo, em produtos de reforma (fundo de pensões, seguro PPR, entre outros) 

Valor da compra em 1995: € 150 000 
Valor da venda: € 300 000 
Valor necessário para a amortização do empréstimo: € 100 000 
Montante aplicado num fundo de pensões: € 200 000 
IRS a pagar: € 0

Como declarar no IRS?

Para acionar esta isenção, deve ser indicado no quadro 5A do anexo G o montante investido. O campo 5013 deve ser utilizado se o reinvestimento tiver sido feito no mesmo ano da venda, ou o campo 5014 se tiver sido feito já no ano seguinte, mas dentro do prazo de seis meses após a venda. 

Se o proprietário da casa for não residente em Portugal, a venda continua a ser declarada no anexo G, identificando-se o contribuinte como “não-residente” no menu “Rosto”.

Nestes casos, é aplicada uma taxa autónoma de 28% sobre a totalidade da mais-valia. 

Caso o contribuinte tenha residência noutro país da União Europeia, pode optar por ser tributado segundo as regras dos residentes, desde que mais de 90% dos seus rendimentos desse ano tenham sido obtidos em Portugal. No entanto, nem sempre compensa fazê-lo, pois os rendimentos obtidos no estrangeiro seriam somados à mais-valia para definição do escalão de IRS.

Retirado do Deco Proteste – Adaptado por Dicas Imobiliárias

Comprar casa: 5 coisas a que é preciso (mesmo) estar atento

Em termos gerais, o preço, a localização e o tamanho da casa continuam a ser os fatores mais valorizados. Mas há outros.

A compra de uma casa é a decisão de uma vida. E há muitas coisas às quais é preciso prestar atenção para decidir se é ou não o momento certo para comprar casa. Em termos gerais, o preço, a localização, a orientação e o tamanho da casa continuam a ser os fatores mais valorizados na hora de comprar casa. Mas com a pandemia, outros aspetos ganharam protagonismo. Eis os fatores mais valorizados quando queremos comprar uma casa e o que está por vir.

Localização da casa e dimensões

Na hora de comprar casa o que mais importa, além do preço, é a localização, a orientação, o tamanho, e a distribuição dos espaços. Uma vez tomada essa decisão, ao optar por um imóvel ou outro, outros aspetos ganham destaque.

Luminosidade e espaços exteriores

Com a Covid-19, outras qualidades passaram a ser cada vez mais apreciadas no momento de compra de uma casa, como a vista, se tem ou não elevador, a luminosidade do imóvel, a presença de áreas exteriores como terraços ou varandas, a eficiência energética. Justamente por causa da pandemia, muitas pessoas perceberam que a sua casa era muito pequena, escura e não proporcionava o bem-estar necessário.

Momento certo para comprar casa
Pexels

Casas espaçosas adequadas para teletrabalho

As casas espaçosas com divisões especialmente projetadas para teletrabalho são agora uma condição fundamental, assim como uma boa conexão com a internet. A iluminação doméstica, se antes era importante, tornou-se um aspeto essencial, pois uma casa naturalmente iluminada ajuda a reduzir os custos de energia.

Uma tendência para os compradores é também procurar casa nas periferias das cidades, onde podem encontrar mais espaço pelo mesmo preço, com a possibilidade de ter jardins, ginásios ou piscinas, agora muito mais procurados.

O preço da casa

A decisão final de comprar uma casa depende muito das necessidades de cada comprador e, claro, do seu poder de compra e das condições de qualquer financiamento.

Há clientes que não se importam de pagar um pouco mais para usufruir de determinados fatores, como boa localização, espaços exteriores, mais luz, melhores qualidades e outros que, pelo contrário, limitam a decisão aos imóveis que podem pagar. Portanto, o preço será sempre um fator decisivo na hora de comprar casa.

Procurar casa para comprar
Pexels

Eficiência energética cada vez mais importante

Existem fatores, como a eficiência energética, que serão cada vez mais importantes. Nos próximos dois anos, as áreas exteriores, a qualidade dos imóveis e a eficiência energética serão cada vez mais importantes na escolha de uma habitação; algo que já se pode adivinhar pelas características dos novos edifícios.

Além disso, ao longo do tempo, veremos um crescimento do interesse pela sustentabilidade e melhoria da eficiência energética em casa, uma tendência alinhada com o futuro mais sustentável que temos de criar como sociedade.

Retirado do Idealista – Adaptado por Dicas Imobiliárias

Imobiliário continua em alta. Sobem as licenças, o crédito à habitação e a avaliação

Nos primeiros 11 meses de 2021 assistiu-se a um crescimento de 9,5% do número de obras de construção nova ou de reabilitação licenciadas pelas Câmaras Municipais, em termos homólogos.

De acordo com a Síntese Estatística da Habitação , divulgada pela AICCOPN, relativamente ao número de fogos licenciados em construções novas neste período, regista-se um aumento homólogo de 11,8% para 25.621.

O novo crédito para aquisição de habitação concedido pelas instituições financeiras até final de Novembro, totalizou 13.773 milhões de euros, o que corresponde a um acréscimo de 35,2%, face aos 10.186 milhões de euros apurados há um ano.

Quanto ao stock de crédito à habitação detido pelas instituições financeiras, observa-se, no mês de Novembro, um aumento homólogo de 1,9%, para 96.581 milhões de euros. Em Novembro, o valor mediano da avaliação da habitação para efeitos de crédito bancário assinala uma valorização de 11,2% em termos homólogos, em face de acréscimos de 11,9% nos apartamentos e de 8,1% nas moradias.

Também até ao final do mês de Novembro, o consumo de cimento no mercado nacional totalizou 3.507 milhares de toneladas, o que traduz um aumento de 5,3%, em termos homólogos.

Na Área Metropolitana de Lisboa, região analisada no relatório da AICCOPN, o número de fogos licenciados em construções novas nos doze meses terminados em Novembro de 2021, foi de 5.972, valor que traduz um aumento de 15,2% face aos 5.185 alojamentos licenciados nos doze meses anteriores. Destes, 9% são de tipologia T0 ou T1, 24% são de tipologia T2, 44% de tipologia T3 e 23% de tipologia T4 ou superior. Quanto ao valor de avaliação bancária na habitação verificou-se, nesta região, uma variação homóloga de 11,1% em Novembro.

Plantar ervas aromáticas em casa: 3 dicas de ouro

As ervas aromáticas acrescentam sabor e frescura aos cozinhados. Queres saber como construir uma horta em casa de forma simples?

Ter uma horta de ervas aromáticas permite acrescentar sabor e frescura aos cozinhados facilmente ou até fazer chá – e poupar no supermercado, claro. Além disso, plantar ervas aromáticas pode ser uma boa tarefa para os tempos livres. Não é preciso ter jardim ou casa grande, um terraço ou varanda e alguns vasos serão suficientes para criar uma horta em casa.  

Tipos de ervas aromáticas

Antes de mais, é importante começar por decidir quais os tipos de ervas aromáticas que mais utilizas para temperar as refeições, e quais pretendes plantar. Isto porque todas elas tem especificidades próprias. Há muitas opções à escolha, quer para interior, quer para exterior:

  • Coentros;
  • Salsa;
  • Manjericão;
  • Cebolinho;
  • Alecrim;
  • Hortelã;
  • Orégãos;
  • Tomilho;
  • Louro;
  • Etc..
tipos de ervas aromáticas
Unsplash

Como plantar ervas aromáticas

Depois de escolheres as ervas aromáticas, podes plantá-las em vasos ou floreiras, de preferência perto de um local com luz natural – na varanda ou terraço, por exemplo, ou até mesmo junto à janela da cozinha. E claro, é essencial respeitar as épocas de plantação de cada uma das espécies, e conferir as necessidades de água e luz solar das ervas aromáticas. Existem plantas aromáticas que exigem mais água que outras, e deves sempre regar o substrato e nunca as folhas.

como plantar ervas aromáticas
Unsplash

É possível agrupar as espécies de ervas aromáticas que exigem condições semelhantes no mesmo vaso ou floreira:

  • Manjericão, cebolinho, salsa e coentros;
  • Hortelã e erva cidreira;
  • Alecrim, tomilho e sálvia;
  • Oregãos e louro.

Vasos adequados para ervas aromáticas

Nem todas as ervas aromáticas precisam do mesmo espaço para crescer ou da mesma quantidade de substrato. Daí que seja importante considerar as características de cada uma para escolher o tipo de vaso: vidro, barro, metal, etc. E lembra-te: todos devem permitir um escoamento adequado da água da rega ou da chuva. O ideal será escolher um vaso com orifícios na base.

Podes optar por plantar as sementes num vaso ou comprar a planta e transplantá-la – neste caso, para um vaso maior.

Retirado do Idealista – Adaptado por Dicas Imobiliárias

Criar nichos embutidos em casa: como usá-los em cada divisão

Queres aprender a usar nichos embutidos e tirar melhor partido dos vários espaços da casa? Eis algumas dicas.

Os nichos embutidos não são apenas uma (boa) forma de aproveitar e otimizar os espaços, acrescentando mais arrumação. A construção de nichos embutidos permite também dar um maior dinamismo à decoração de uma divisão, funcionando como um fator diferencial.

Queres aprender a usar nichos embutidos na decoração e tirar melhor partido dos vários espaços da casa? Este guia pode dar-te uma ajuda.

Nichos embutidos no quarto 

No caso do quarto, os nichos embutidos têm estado muito em voga. A criação de um nicho permite um maior aproveitamento da parede da cabeceira da cama. Nesse sentido, desde nichos abertos à criação de armários, existem várias opções. Alguns destes nichos acabam por ser incorporados com uma iluminação e também com mesas de cabeceira.

Nichos embutidos no quarto
Shutterstock

Nichos embutidos na casa de banho

Os nichos embutidos na casa de banho são possivelmente os mais populares. Quem nunca fez aquele buraquinho na parede, para arrumar champô e o sabão? Como podes ver no exemplo abaixo, o nicho não só serve de arrumação, como ainda quebra o armário principal da casa de banho. Além disso, é ainda fonte de iluminação, algo muito útil num WC, uma divisão onde muitas vezes a iluminação é mais fraca.

Nichos embutidos na casa de banho
Shutterstock

E tendo em conta que as casas de banho tendem a ser divisões mais húmidas, aconselhamos-lhe a optar pela construção de nichos embutidos em materiais resistentes, como a alvenaria ou a pedra natural.

Nichos embutidos na sala 

Seja na vertical ou na horizontal, optar por um nicho embutido na sala será sempre um factor diferenciador na  sala. Numa sala, a existência de um nicho embutido não só permite uma maior arrumação, como dispor os teus objetos favoritos.

Nichos embutidos na sala de estar
Shutterstock

E ao contrário daquela velhinha ideia de que devem ser discretos, por que não fazer o oposto? Para destacar o nicho, opta por uma pintura com cores escuras ou mais chamativas. Depois é decorá-lo da melhor forma: livros, fotografias, plantas ou velas são só algumas sugestões.

Nichos embutidos na cozinha 

Tal como acontece com o quarto, os nichos embutidos na cozinha podem ser uma boa opção para aproveitar bem toda a parede. Neste caso, mais do que um pequeno nicho, sugere-se retirar o máximo de aproveitamento, criando um armário de cozinha.

Nichos embutidos na cozinha
Shutterstock

Além de ser um diferencial na decoração da cozinha é também uma excelente forma de otimizar o espaço e conseguir mais arrumação – e todos sabemos como, numa cozinha, espaço extra de organização é sempre bem-vindo, certo?

Retirado do Idealista – Adaptado por Dicas Imobiliárias

“Revolução” nos condomínios: o que diz a nova lei já publicada

Assembleias e administradores com novas regras. E obrigação de declaração na venda de casas. Isto e mais. Juristas explicam.

Há uma nova lei publicada este mês, e que entra em vigor em abril, que vai alterar a vida dos condomínios e também as transações imobiliárias. Todas as vendas de casas passam a ter de incluir uma declaração do proprietário relativa ao condomínio para que se realize a escritura, à semelhança do que acontece com o certificado energético, por exemplo. As assembleias de condomínio têm novas regras de funcionamento e os administradores ganham novos poderes e obrigações. O novo diploma também toca na constituição da propriedade horizontal. Explicamos tudo com fundamento legal. 

“No dia 10 de janeiro de 2022 foi publicada a Lei n.º 8/2022, um diploma que altera significativamente o ordenamento jurídico português em temas da maior importância, designadamente, o funcionamento das assembleias de condomínio, os poderes e obrigações do administrador de condomínio e a constituição propriedade horizontal“.

novo diploma legal dos condomínios
Foto de Polina Tankilevitch en Pexels

Informam ainda os especialistas legais que “é igualmente introduzida a obrigação de o proprietário do imóvel de uma fração apresentar, aquando da sua venda, uma declaração escrita emitida pelo administrador do condomínio da qual conste o montante de todos os encargos de condomínio em vigor à data da venda e eventuais dívidas de que seja titular”.

A declaração do condomínio com os encargos da fração aquando da venda

A partir do dia 10 de abril de 2022, o proprietário de uma fração autónoma que pretenda vender, doar ou, de uma qualquer outra forma, alienar a sua fração, encontra-se obrigado a requerer ao administrador do condomínio a emissão de uma declaração escrita na qual conste o montante de todos os encargos de condomínio em vigor relativamente à sua fração, especificando:

  • a sua natureza
  • respetivos montantes
  • prazos de pagamento

Nessa mesma declaração deverá ainda constar, caso existam, as dívidas existentes relativas a fração autónoma que será alienada, especificando:

  • respetiva natureza
  • montantes
  • datas de constituição e vencimento

A referida declaração deverá ser emitida pelo administrador do condomínio no prazo máximo de 10 dias a contar do pedido do proprietário da fração, sendo a sua apresentação obrigatória para que sejam lavrados os instrumentos pelos quais se partilhem ou transmitam direitos sobre prédios (como, por exemplo, o direito de propriedade), ou se contraiam encargos sobre eles.

Acordo legal
Foto de Oleg Magni en Pexels

Tal documento apenas pode ser dispensado caso o adquirente da fração autónoma expressamente declare, na escritura ou no documento particular autenticado que titule a alienação da fração, que prescinde de tal declaração. Contudo, ao aceitar que a escritura se realize sem a declaração do administrador do condomínio, o adquirente da fração autónoma aceitará necessariamente a responsabilidade por qualquer dívida do vendedor ao condomínio.

Despesas necessárias à conservação das partes comuns

nova lei do condomínio procura igualmente pôr termo a algumas questões relacionadas com a responsabilidade das despesas relacionadas com o condomínio.

Assim, prevê-se expressamente que as despesas necessárias à conservação e fruição das partes comuns do edifício e relativas ao pagamento de serviços de interesse comum são da responsabilidade dos condóminos proprietários das frações no momento das respetivas deliberações, sendo por estes pagas em proporção do valor das suas frações – salvo disposição em contrário.

É igualmente determinado que as despesas relativas ao pagamento de serviços de interesse comum podem (mediante disposição do regulamento de condomínio, quando aprovada sem oposição, por maioria dos condóminos que representem a maioria do valor total do prédio) ficar a cargo dos condóminos em partes iguais ou em proporção à respetiva fruição, desde que devidamente especificadas e justificados os critérios que determinam a sua imputação.

Funcionamento das assembleias de condomínio
Foto de Kindel Media en Pexels

Outra importante alteração respeita às despesas de conservação das partes comuns afetas ao uso exclusivo de um condómino (como, por exemplo, varandas e pátios de uso exclusivo)Quando o estado de conservação destas áreas afete o estado de conservação ou o uso das demais partes comuns do prédio, o condómino a favor de quem está afeto o uso exclusivo daquelas apenas suporta o valor das respetivas despesas de reparação na proporção do valor da sua fração, salvo se tal necessidade decorrer de facto que lhe seja imputável (ou seja, o condomínio é responsável por suportar as despesas que digam respeito à reparação e conservação dos pátios e varandas que sejam de uso exclusivo de um dos condóminos com exceção dos casos em que tais despesas decorram de uma conduta imputável ao condómino – por exemplo obras não autorizadas, tal como fizeram Cristiano Ronaldo ou Joe Berardo nos seus apartamentos de luxo em Lisboa – que tem o uso exclusivo destas áreas).

Responsabilidade por encargos do condomínio

Uma das principais alterações no ordenamento jurídico português introduzidas pela Lei n.º 8/2022 diz respeito à responsabilidade por dívidas ao condomínio e a forma como esta responsabilidade se afere aquando da venda das frações autónomas. Pretende-se, com a alteração introduzida, pôr termo a uma questão que há muito é discutida nos tribunais portugueses.

Novas regras das assembleias de condomínio
Foto de Kindel Media en Pexels

Assim, a lei procura esclarecer esta questão, estatuindo que a responsabilidade pelas dívidas ao condomínio deverá ser aferida em função do momento em que a divida deveria ter sido liquidada. Consequentemente, apenas se o adquirente da fração autónoma expressamente declarar, na escritura ou no documento particular autenticado que titule a alienação da fração, que prescinde da declaração do administrador acima referida, é que será responsável por qualquer dívida vencida em data anterior à data da aquisição.

Por fim, prevê-se expressamente que os montantes que constituam encargos do condomínio, independentemente da sua natureza, que se vençam em data posterior à transmissão da fração, são da responsabilidade do novo proprietário.

Alterações ao título constitutivo da propriedade horizontal

Até agora, a lei dispunha que o título constitutivo da propriedade horizontal apenas podia ser modificado quando existia acordo de todos os condóminos. Contudo, a nova lei veio consagrar a possibilidade de sempre que:

  • (a) os votos representativos dos condóminos que não consintam na alteração ao título constitutivo da propriedade horizontal sejam inferiores a 1/10 do capital investido; e
  • (b) a alteração não modifique as condições de uso, o valor relativo ou o fim a que as suas frações se destinam,

a falta de acordo destes condóminos poderá ser suprida judicialmente.

Retirado do Idealista – Adaptado por Dicas Imobiliárias

Plano para preparar as férias com antecedência: todas as dicas

Como se devem preparar as férias? Partilhamos planos para férias em família, o que levar na mala e dicas a ter em conta.

Um dos efeitos da pandemia foi a preocupação de muitos viajantes começarem a planear as férias com antecedência. Praticamente deixou de ser possível marcar férias no último minuto e agora há que pensar bem no que fazer e no que levar na mala para descansar sem imprevistos. E para ajudar a planear o melhor mesmo é teres o calendário de 2022 à mão.

Seja para um fim de semana com animais de estimação ou uma semana de férias com crianças, enumeramos alguns conselhos para preparar as férias com antecedência e como encontrar as ofertas mais económicas.

Férias baratas
Pexels

Conselhos úteis para planear férias com antecedência

Obviamente, para preparar as férias com antecedência, convém avisar a empresa e marcar os dias para o merecido descanso. Além disso, podes considerar as seguintes dicas:

  1. Definir um orçamento para as férias: antes de preparar qualquer viagem é importante fazer as contas e perceber quanto dinheiro poderás gastar num determinado país para alimentação, alojamento, atividades e até mesmo souvenirs que irás trazer na mala;
  2. Encontrar as melhoras ofertas de voos e alojamentos: entra em sites de companhias áreas low-cost para encontrar pacotes de férias mais baratos para o destino que tanto sonhas visitar;
  3. Escolhe o itinerário perfeito: sejam férias em Portugal ou férias em destinos longínquos, é importante decidir de antemão aquilo que queres conhecer;
  4. Planeia a lista de coisas a fazer durante as férias: elabora um plano de férias relacionado com atividades de lazer e algumas alternativas para preencher bem a agenda.

Como preparar férias com crianças pequenas?

É muito fácil preparar férias sozinho, mas será assim tão simples preparar férias com crianças? Podes respirar de alívio com estas3dicas essenciais.

  1. Em primeiro lugar, podes preparar férias com crianças consoante as datas do calendário escolar. Marca as férias quando o calendário for divulgado para poupar dinheiro;
  2. Em segundo lugar, conceder um ou dois desejos aos mais pequenos e fica atento a todas as coisas que as crianças gostam de fazer nas férias. Tenta levá-las para o meio da natureza onde se poderão acalmar;
  3. Em terceiro lugar, durante as férias com crianças há que ser flexível. Para despertar do interesse de crianças pequenas ou recém-nascidos podes levá-los para lugares com sons novos. Em parques e jardins tira-as do carrinho ou do teu colo.Férias com criançasPexels

Como preparar férias se tens animais de estimação?

Certamente já te deparaste com algumas dificuldades para organizar umas férias com animais de estimação. Infelizmente, muitos estabelecimentos não aceitam animais e é difícil encontrar atividades para os teus amigos de 4 patas.

Podes aproveitar os feriados e pontes para viajar e assim deixar os animais domésticos com algum familiar durante pouco tempo. Caso contrário, se queres mesmo fazer férias com os teus animais de estimação segue os próximos pontos:

  1. Informa-te antecipadamente sobre as regras dos hotéis e tenta encontrar locais devidamente equipados, zonas verdes e bares/restaurantes que aceitem animais de estimação – estes hotéis são pet-friendly;
  2. Evita transportes públicos e aluga um automóvel, pois é o melhor meio de transporte para as férias com animais de estimação. Será mais simples preparar o itinerário;
  3. Habitua os animais de estimação a viajar desde muito jovens, porque sofrerão menos e não causarão problemas durante as tuas férias.
Férias com animais de estimação
Pexels

O que levar na mala para férias de uma semana?

Agora que já conheces como planear férias com antecedência em diferentes situações, há que fazer as malas. Para férias de uma semana deves levar todos os documentos necessários, peças de roupa essenciais e gadgets para deixar cada membro da família confortável:

  • Uma a duas mudas de roupa por dia, mediante a estação;
  • Chapéus, bonés ou gorros (consoante a temperatura que fará no local a visitar);
  • Kit de primeiros socorros para tratar feridas (pomadas, termómetros, pensos rápidos)
  • Kit de higiene pessoal;
  • Mala com kit de higiene e produtos para crianças/bebés (fraldas descartáveis, toalhitas, pomadas, shampoos, chupetas, biberões, itens para refeições, brinquedos, etc.)
  • Se viajas com cães ou gatos não te esqueças dos seus respetivos documentos. Existem também muitas malas para transportar animais de estimação durante passeios, com segurança e conforto.
Marcar férias
Pexels

Quanto tempo de antecedência para o aviso de férias?

Deves marcar as férias com antecedência no trabalho e poderás fazê-lo, por exemplo, a cada início de ano quando conheceres o teu calendário de dias livres.

Quanto mais cedo avisas a tua empresa que pretendes ir de férias, menor é a probabilidade do período coincidir com a data desejada por outro colega. Este é um ponto crucial para o planeamento das férias atempadamente.

Existem empresas em que os períodos de férias são sempre os mesmos, o que é excelente para quem quer planear as férias com antecedência.

Por exemplo, uma pessoa que sabe que todos os anos só pode ir de férias em agosto poderá ser beneficiado, no sentido em que encontrará viagens e alojamentos mais baratos para a temporada alta do ano (se o fizer com antecedência, claro).

Retirado do Idealista – Adaptado por Dicas Imobiliárias

Mais valias no IRS: Quem está isento?

Os contribuintes do último escalão do IRS vão deixar de englobar as mais-valias mobiliárias. Ou seja, quem obteve rendimentos com a compra e venda de ações, obrigações ou quotas nos últimos 12 meses será aplicado uma taxa de 28% de IRS.

A proposta do novo Governo socialista sobre o englobamento obrigatório no IRS das mais-valias não irá avançar no Orçamento do Estado de 2022.
João Paulo Correia, vice-presidente do grupo parlamentar do PS, confirma que “Apesar de ser uma medida que tem uma aplicação a um universo relativamente reduzido de contribuintes, o que é certo é que ela fará parte do Orçamento do Estado, que estava previsto em outubro ter aplicação a 1 de janeiro de 2022. Como o Orçamento só será aprovado a meados do ano, terá de ser revisto o seu calendário de aplicação, mas isso ainda é muito prematuro“, de acordo com declarações à TSF. 
Em causa estão as mais-valias mobiliárias especulativas de curto prazo, ou seja, quem obteve rendimentos com a compra e venda de ações, obrigações ou quotas nos últimos 12 meses,  será sujeito a uma taxa de 28% de IRS (em vez dos 48% de taxa de IRS).António Mendonça Mendes, secretário de Estado do Fisco, disse recentemente à SIC que avançar com o englobamento obrigatório a meio do ano poderia gerar contestações, mesmo que o IRS seja anual.
Assim, o englobamento obrigatório das mais-valias mobiliárias deixou de fazer parte do OE 2022. Contudo, não quererá dizer que esta medida não seja pensada novamente em 2023, visto que o PS ganhou com maioria absoluta parlamentar.

Dia dos Namorados: planos para casais, sem esquecer os solteiros

Nem só de casais se faz o Dia dos Namorados. Nesta data celebra-se o amor em todas as suas formas. Deixamos-te algumas sugestões.

No mês de fevereiro é caso para dizer que o amor está no ar….O dia de São Valentim, ou dia dos namorados, celebra-se no dia 14 de fevereiro, apesar de todos os dias serem para comemorar o amor. 

Assim como o Dia dos Namorados é celebrado pelos casais, os solteiros também devem festejar este dia. Como sabemos, existem várias formas de amor e uma delas – das mais importantes – é o amor-próprio.

Por isso mesmo, ser um solteiro no Dia dos Namorados, não é um problema. Para te ajudar a celebrar da melhor forma reunimos estas ideias para o Dia dos Namorados para casais solteiros.

Atividades para o Dia dos Namorados para casais

Para recém namorados, para namorados de longa data, para casados – em suma, para apaixonados – temos planos para o dia de São Valentim que vão ajudar-vos a desfrutar de um dia muito romântico.

Planos para o Dia dos Namorados...a dois!
Pixabay
  • Deliciem-se de amor num piquenique na praia ou no jardim

Seja na praia ou no jardim, preparem um cesto ou uma mochila com marmitas e os vossos snacks favoritos. Levem raquetes de badminton ou de ténis, uma bola de volley ou de futebol, cartas ou o que preferirem e passem um momento maravilhoso a dois.

  • Surpreende a tua cara-metade com um jantar surpresa

jantar do dia dos namorados é algo simples mas é sempre especial. Podes preparar um jantar surpresa para a tua cara-metade. Cozinha a sua comida preferida, coloca velas e põe a tocar uma música romântica e que seja especial para ambos.

  • Um passeio de mãos dadas é sempre mágico

Podem desfrutar de um passeio em casal na cidade, num lugar com natureza (como a Serra de Sintra, por exemplo), ir a um museu ou a uma exposição. Também podem decidir ir ao cinema para verem um filme que queiram e partilharem um balde de pipocas.  

Passeio romântico
Pixabay
  • Para casais gulosos, um brunch romântico

Em casa ou num restaurante, um brunch a dois é um plano ideal para casais que adoram comer e desfrutar de vários sabores.  

  • Romance pelo rio afora num passeio de barco

Um passeio de barco ou de cruzeiro é o plus do romantismo. Pelo Rio Tejo ou pelo Rio Douro, tens várias opções de passeios de barco, em que podes apreciar a paisagem ao lado da tua cara-metade. O passeio na altura do pôr-do-sol pode ser a escolha ideal para o romance.

  • Arrisca-te numa aventura com o teu amor!

Para os casais aventureiros ou com um espírito de “sair da zona de conforto” esta é data certa para arriscar. Que tal embarcarem numa experiência como arvorismo, coaastering, mergulho, passeios de kayak, kart? É o plano incrível e desafiador.

  • Escapem-se para uma noite fora

Reservem uma noite num hotel ou aluguem um apartamento para aproveitarem a noite num lugar diferente. Caso não tenham folgas ou férias nesta data, vão no fim-de-semana ou noutro dia. Na realidade, o amor celebra-se todos os dias.

Escapadela romântica
Pixabay
  • Celebrar o amor ao ritmo de uma dança

Experimentem uma aula de dança como, por exemplo, danças latinas ou kizomba. Mesmo que não seja algo que não tenham o hábito de fazer, colocar os corpos a mexer ao ritmo da música, pode revelar-se numa atividade gira e diferente para fazer em casal. Conectem-se a partir do som da música e dos movimentos da dança. Vão adorar!

dançar no dia dos namorados
Foto de SHVETS production en Pexels

Atividades para o Dia dos Namorados para solteiros

Os solteiros também devem de festejar o Dia dos Namorados. Aproveita este dia para celebrar o amor próprio e faz coisas que te encham o coração.

  • Uma saída com os amigos à procura do cupido

Junta os teus amigos e combinem uma saída. Às vezes ficamos tão embrulhados no trabalho ou nos estudos que não vemos os nossos amigos há muito tempo. Combinem jantar fora e depois vão a um rooftop e metam a conversa em dia enquanto apreciam a noite. Quem sabe se o cupido faz das suas, nessa noite!

Dia dos Namorados para solteiros
Pixabay
  • Uma festa do pijama para transbordar os corações de amor

Se preferires, junta-te com os teus amigos em casa, prepara ou encomenda um jantar incrível, coloquem uma música e divirtam-se. Façam jogos para se conhecerem ainda melhor ou um karaoke (certifiquem-se que não fazem muito barulho por causa dos vizinhos). 

  • Oferece-te um presente de amor e vai ao spa!

A tensão do dia-a-dia pode ser aliviada com uma ida ao spa. Opta por uma massagem relaxante, uma sessão de reflexologia ou outro. Podes também escolher um circuito de spa num hotel com piscina interior, jacuzzi e outros.

Dia dos Namorados no Spa
Pixabay
  • Self-care em casa para aquecer o coração

Faz uma máscara facial, veste o pijama e o robe, as tuas meias quentinhas e aproveita o teu spa day em casa. Bebe um chá, faz uma meditação, uma hidratação nos pés e nas mãos. No fim encomenda uma pizza ou uma refeição mais nutritiva. Tu escolhes!

  • Faz uma maratona de séries ou filmes românticos

Para um dia de descanso e cheio de amor próprio, mergulha numa maratona filmes ou séries românticas. Tira o dia ou a noite para não pensares em nada e simplesmente divertires-te a ver. Não te esqueças das pipocas!

  •  Participa em Jogos de Escape Room (mas não te escapes do cupido)

Desafia-te em jogos de escape room onde tens de enfrentar missões e descobrir respostas para conseguires escapar. Leva os teus amigos e entrem no desafio!

  • Cozinha uma refeição diferente

Que tal cozinhar uma refeição que nunca fizeste? Aventura-te numa nova receita como sushi ou algo diferente que queiras experimentar cozinhar e provar.

Cozinhar no Dia dos Namorados
Pixabay
  • Vai ver uma peça de teatro

Podes ir ao teatro ver uma peça de comédia, por exemplo. É uma opção divertida onde aprendemos mais e apoiamos a cultura. Sugerimos os Monólogos da Vagina no Teatro Politeama, no dia 14 de fevereiro, às 21h00.  
 

A história do dia de São Valentim

A história de São Valentim provém do século III. Nesta altura, o imperador Cláudio II, no Império Romano, proibiu os casamentos mas o Bispo com o nome de Valentim continuou a realizá-los às escondidas. Assim que o Bispo foi descoberto, foi preso e condenado à morte. Enquanto estava preso, o Bispo Valentim recebeu bilhetes, cartas e flores de pessoas que o apoiavam. Afirma-se que na prisão, Valentim apaixonou-se por uma mulher, filha de um carcereiro, Ela era cega e o bispo curou-lhe a cegueira.

planos em casa no dia dos namorados

   Retirado do Idealista – Adaptado por Dicas Imobiliárias

Vistos gold: investimento em janeiro supera níveis pré-pandemia

Limitações na atribuição de autorizações de residência já entrara em vigor. Valor ainda engloba processos que entraram em 2021.

Um novo ano começou e novas regras nos vistos gold entraram automaticamente em vigor. Desde o dia 1 de janeiro de 2022 que a atribuição de Autorizações de Residência para Investimento (ARI) chegou ao fim no litoral e nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, numa tentativa de canalizar investimento para o interior do país. Mas será que o investimento realizado em janeiro de 2022 já reflete esta mudança? Os dados mais recentes dos Serviços de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) mostram que o investimento em vistos gold está acima do período pré-pandémico, mas que este ainda reflete os processos que entraram para aprovação no final de 2021.

Olhando para o investimento global em vistos gold, salta à vista que foram concedidos um total de 94 autorizações de residência para investimento, que geraram um investimento total de 48 milhões de euros, mostram os dados do SEF citados pelo Dinheiro Vivo. Este é um valor cerca de 6% superior ao registado em janeiro de 2020 – pouco tempo antes da pandemia chegar às nossas vidas. O investimento apurado é 45% superior ao realizado em janeiro de 2021.

E quem é que procura investir em Portugal? Tendo em conta o investimento total em vistos gold realizado em janeiro de 2022, observa-se que foram os chineses que mais procuraram investir no país, tendo acumulado um total de 19 vistos com um investimento de mais de 9,4 milhões de euros. Logo a seguir estão os norte-americanos com 17 ARI e 8,9 milhões. Em terceiro, os indianos (oito ARI e 3,9 milhões), seguido dos russos (sete ARI e 4 milhões) e dos brasileiros (6 ARI e 5,6 milhões investidos).

Vistos gold em Portugal
Foto de Thirdman en Pexels

Imobiliário é a estrela dos vistos gold

E, sem surpresas, foi o imobiliário que arrecadou a maior fatia do investimento. Enquanto por transferência de capitais e por investimentos em fundos e/ou sociedades comerciais foram concedidos 19 vistos gold resultado do investimento de 19 milhões, por via da aquisição de imóveis foram atribuídos 75 vistos gold em janeiro de 2022, representando 38,7 milhões de euros investidos.

Face ao valor apurado em janeiro de 2020, o investimento captado por via de aquisição de imóveis no primeiro mês do ano é um valor ligeiramente inferior (-1,5%). Mas, por outro lado, é bem superior ao registado em janeiro de 2021 (+21%) e em dezembro passado (+9%), mostram os dados do SEF.

A verdade é que estes números ainda não refletem as alterações na lei. O impacto desta medida na captação de investimento – principalmente no setor imobiliário – só será conhecido dentro de semanas, quando todos os processos de 2021 estiverem fechados. 

E onde é que foi aplicado esse investimento? Só em Lisboa foram concedidas 41 ARI por via da aquisição de imóveis para habitar ou reabilitar. E foi em Cascais onde se realizou o maior investimento: um cidadão brasileiro comprou uma casa por 3 milhões de euros. O Porto aparece em segundo com 10 ARI e Évora em terceiro (5). As restantes autorizações foram distribuídas por diferentes regiões do território nacional, refere o mesmo meio.

Atribuição de autorização de residência para investimento

   Retirado do Idealista – Adaptado por Dicas Imobiliárias